FERIDA D'ÁGUA II

texto + imagem A. Rafael da Silva


sabes, filho de Ulisses
todos estes anos tentei esconder-me da morte
ainda que tenha passado o resto do tempo a esconder-me da vida também

a pessoa que olha para mim no espelho
não fala comigo, não me diz nada
não poderia dizer-me nada
o medo cresce entre línguas que não se conhecem

deveria ter partido também, como o teu pai
talvez tivesse tido a sorte de me achar
sob o mesmo manto de estrelas que te cobre
para que adormeças leve onde eu não te saiba
aconchegado pelos meus fios desmanchados

imaginar-te assim é ter por certo que existe
um mundo maior do que nós, um mundo imenso
onde não cabe aquele reflexo que me olha do espelho

sou o pano que falhou antes mesmo que o seu tear fosse montado

saberás perdoar-me por todos os anos em que permaneci no passado?

de tanto olhar para trás mudei inconsciente da mudança,
até ao dia em que pude ver a tua felicidade
alheia à minha influência e percebi
que no fracasso esteve o meu maior ganho

Linkedin | Instagram

© 2021 A. Rafael da Silva - Todos os Direitos Reservados